Quarto de Milha, o cavalo que conquistou o Brasil

Anteriormente, a gente abordou um pouco sobre o cavalo quarto de milha aqui no nosso Klopr Blog. Com o sucesso do artigo, decidimos compilar as melhores informações sobre essa grande raça de cavalo que conquistou o Brasil. 

nacional-qm

Neste artigo, vamos falar sobre:

  • Origem do Quarto de Milha e sua história no Brasil
  • Características do cavalo
  • Esportes do Quarto de Milha
  • Cavalos consagrados
  • Hall da Fama
  • Exposição Nacional
  • Acessórios especiais

Origem do Quarto de Milha e sua história no Brasil

Retomando o breve resumo feito anteriormente no nosso blog, o Quarto de Milha surgiu do cruzamento de vários cavalos de raça provenientes da Inglaterra, Espanha e America. Esta foi a primeira raça criada nos Estados Unidos, em 1600, durante a colonização.

As primeiras éguas inglesas enviadas aos Estados Unidos foram cruzadas com os cavalos que já eram utilizados pelos índios: os mustangues. Conforme foram sendo cruzados, começaram a nascer cavalos mais compactos e musculosos, além de serem dóceis e excelentes em corridas curtas.

Analogamente, o Quarto de Milha tem esse nome por conseguirem correr 402,33600 metros (ou ¼ de milha) em um tempo excepcionalmente curto. Essas características se perpetuaram durante mais de 3 séculos e para que suas origens não fossem perdidas, porém, em 1940, no Texas, criaram a primeira associação de criadores chamada American Quarter Horse Association.

Quarto de Milha no Brasil

Apenas depois de 15 anos da criação da AQHA o cavalo Quarto de Milha chegou no Brasil, com um empresário do ramo que queria, sobretudo, melhorar os cavalos de sua fazenda por meio dos cruzamentos genéticos.

Hoje os cavalos desta raça estão no patamar de mais de 500 mil animais cadastrados na Associação Brasileira de Criadores do Cavalo Quarto de Milha (ABQM). Sendo no Brasil ou fora dele, os cavalos da raça tem basicamente a mesma característica física.

Características físicas do Quarto de Milha

Conhecidos em todo o Brasil como cavalos atletas, eles são cavalos ideais para provas de velocidade e agilidades técnicas.  Seus 500kg divididos entre 1,50m e até 1,62m faz com que eles sejam, assim, bastante musculosos.

Eles são muito inteligentes e dóceis e possuem, sobretudo, uma habilidade de se adaptar com facilidade ao manejo do cavaleiro. Sua pelagem robusta também chama atenção de quem passa.

Pelagens do Quarto de Milha

pelagem-quarto-de-milha

Para regulamentar os registros de animais brasileiros, a ABQM criou um padrão baseado, analogamente, ao padrão internacional da raça quartista. São elas:

Alazã

Pelagem com a mesma tonalidade presentes no corpo, crina, cauda e membros;

Alazã tostado

Pelagem de tonalidade homogênea, semelhante a borra do café presentes também no corpo, cauda, crina e membros. Pode ser confundida com preto ou zaino, porém ao exposto ao sol, adquire reflexos vermelhos;

Zaina

Pelagem que os tons pretos e castanhos se misturam, dando um ar mais escurecido. Todavia, regiões como bochechas, axilas, flancos e virilhas tem tonalidade mais clara que o restante do corpo;

Baia

Apresenta uma pelagem de fundo preta ou alazã, e, necessariamente apresentar listas de burro ao longo do dorso, começando nas cruzes e terminando na inserção da cauda. Pode ter extremidades e cauda da mesma cor do corpo;

Amarilha

pelagem de tom creme ou amarelo ouro. A crina e a cauda adquirem tonalidades obrigatoriamente brancas;

Preta

Como o nome já diz, apresenta apenas pelos pretos. Quando exposto ao sol, apresenta reflexos azulados;

Lobuna

Pelagem acinzentada ou enfumaçada. Também é conhecida como “pelo de rato” e deve apresentar extremidades pretas;

Rosilha

Tem a base castanha ou alazã e grandes infiltrações progressivas de pelos brancos, na maior parte delas, entre as laterais dos flancos e virilhas. A distribuição dos pelos podem ser homogêneas, porém cabeça e extremidades permanecem castanha/alazã;

Tordilha

Tem cor básica e infiltração progressiva de pelos brancos, assim como a pelagem rosilha. Ela começa a se formar entre o 3º e 4º mês de idade do potro e sempre no sentido da cabeça para o corpo, mais especificamente olhos, bochechas, parte interna das orelhas e, posteriormente, no restante do corpo. A pelagem tordilha tem caráter dominante, portanto, para ser apresentada em um animal, basta um de seus pais ser tordilho; 

Estas últimas, tordilha e rosilha, tem uma diferença marcante entre si: a tordilha tem uma distribuição homogênea entre os pelos brancos. Já a rosilha, porém, a incidência de pelos brancos é maior em algumas áreas que em outras e não apresenta pelos brancos na cabeça.

Castanha

O animal apresenta pelagem avermelhada e extremidades pretas.

Uma curiosidade interessante sobre o regulamento é que ele exige que todo o cruzamento de pais alazães só pode originar produtos alazães. A regra serve, semelhantemente, para os tordilhos.

Provas esportivas 

Dentro das categorias mais disputadas entre os cavaleiros e vaqueiros, o Quarto de Milha é o mais escolhido para provas que envolvem agilidade, velocidade e força. As provas abaixo fazem parte, principalmente, de uma cultura local criada a partir da criação destes cavalos de raça.

Vaquejada

Dois vaqueiros montados, cada um em um cavalo, tem o objetivo de derrubar um boi na área determinada. Um vaqueiro puxa o rabo do boi e o outro, entretanto, apenas o acompanha para que ele não saia da marcação.

Pega de boi

Dois vaqueiros correm atrás de um boi que é solto entre a vegetação do semiárido de Pernambuco. O objetivo é roubar o colar que está no pescoço do boi sem que, eventualmente, caia ou se machuque.

Apartação

Um vaqueiro e um cavalo são colocados dentro de um rebanho a fim de apartar um boi. Assim, após o ocorrido, dirigi-lo ao centro da arena e mantê-lo afastado dos demais.

Provas de tambor

Seja 3 ou 5 tambores, os cavaleiros ou amazonas precisam cumprir o percurso no menor tempo possível. Os cavalos podem tocar os tambores, porém, não podem derrubá-los. Caso isso aconteça, é acrescido um tempo de 5 segundos.

Provas de Baliza

A modalidade também é uma corrida contra o tempo. Nesta prova um cavaleiro ou amazona correm um percurso que tem 6 balizas alinhados e com 6,5 metros de distância entre si. Os dois devem ir e voltar, contornando as balizas no menor tempo possível.

Provas de laço

  • Laço cabeça: Cavaleiros em um pasto aberto emparelham-se para pegar muitos bois em uma corda só
  • Laço de bezerro: Um cavaleiro e um cavalo são soltos do seu brete para ir atrás de um bezerro, solto anteriormente, para laçá-lo. Assim que laça o boi, o cavalo para, o cavaleiro desmonta e derruba o bezerro para amarrar suas três pernas juntas. Durante a amarração, o cavalo deve permanecer quieto e atento para manter a corda esticada.
  • Laço pé: O pezeiro pode laçar as duas pernas traseiras do boi ou somente uma e enrolar o laço. O julgamento se dá pela quietude do cavalo dentro do brete e pela rapidez que parte até o carrote.

Dentro destas competições, o quarto de milha ficou conhecido pelo desempenho e comportamento diante dos demais cavalos de raça. Estes atleta, certamente, marcaram história e alguns deles ocupam os postos mais altos da ABQM.

Cavalos consagrados

Antes de falar sobre os grandes nomes registrados na ABQM, não podemos começar sem relembrar do primeiro animal que marcou na história do Quarto de Milha mundial.

  • Wimpy (Solis x Panda): O primeiro Quarto de Milha registrado na AQHA. Recebeu o título “P-1”, primeiro título permanente da fundação, após ser campeão no Southwestern Exposition and Fat Stock Show (atualmente, Fort Worth Livestock Show). 

Alguns cavalos de raça, anteriormente citados no nosso blog, ficaram famosos por suas grandes estruturas e reproduções. Neste artigo, separamos os Quartos de Milha que tiveram seu nome estampado no Hall da Fama ABQM que é, certamente, a maior premiação da raça.

Hall da Fama

A homenagem da Associação Brasileira de Criadores do Cavalo Quarto de Milha (ABQM) estabelece os cavalos e criadores que fizeram a diferença na raça. Sobretudo na criação, na qualidade genética e na perpetuação dos bons resultados dos cavalos.

A premiação teve início em 2010 e até hoje foram mais de 50 homenageados, entre eles criadores e cavalos que fizeram história na raça. Alguns deles, decerto, ficaram marcados para sempre, conheça:

Dan’s Boy Skippy: Este foi um dos primeiros cavalos Quarto de Milha a chegar no Brasil. Alazão puro, desapareceu e veio a falecer em 1969, porém seu legado permanece até hoje no Ranking da ABQM. Ele está no 4º lugar como reprodutor com 1.451 pontos e 512 filhos, os quais, 69 deles são grandes pontuados.

Reb’s Darlin: Grande reprodutora de corredores, decerto, esta já começou sua vida mostrando para quê veio. Ela chegou ao Brasil em 1981, trouxe consigo dos EUA o Registro de Mérito AAAT (116) – IV (índice de velocidade). No Brasil foi mãe de 38 filhos corredores que, similarmente, ganharam o registro AAAT, como sua filha Mandala Reb’s West.

Victory Fly do Brasil: Com mais de 400 pontos acumulados no Registro de Mérito e mais de R$ 328 mil em prêmios, Victory é, inegavelmente, um grande campeão no nosso país. Quem tem o privilégio de ter esta genética no plantel tem uma grande garantia de sucesso, afinal, já são 9 gerações de campeões ganhando títulos e reconhecimento internacional.

Exposição Nacional do Quarto de Milha

Além das premiações que acontecem na ABQM Awards (cerimônia de entrega de trofeus do Hall da Fama), existe uma exposição que mede os melhores atletas do ano. Conhecida por suas provas e grandiosidade, a Exposição Nacional do Quarto de Milha acontece, sobretudo, para destacar grandes criatórios do Brasil.

Durante, aproximadamente, 8 dias de evento, trofeus e fivelas são disputadas em 19 modalidades diferentes. O acontecimento ocorre há 51 edições e conta com criadores de Quarto de Milha de todo o Brasil, movimentando, assim, milhares de pessoas.

Estima-se que o evento injeta mais de R$8 milhões na economia local, estando divididas entre premiações, investimentos turísticos com hospedagem, alimentação e transporte dos participantes, leilões e comércio de acessórios específicos da raça.

Dentro da exposição é possível encontrar lojistas de todo o país. A venda de selas montaria, selas de vaquejada, arreios, capacetes, caneleira para cavalos, luvas de proteção, protetores da caudas crescem ainda mais nesta época. Já falamos sobre alguns destes itens especiais e, inegavelmente, indispensáveis para provas da raça. 

Artigos para esportes equestres

Algumas provas precisam, primordialmente, de itens de segurança tanto para o competidor, quanto para os animais atletas. Listamos alguns itens que esbanjam beleza e sofisticação entre as competições.

Acessórios necessários para provas de tambor:

  • Bridão – Embocadura utilizada no processo de doma e gera pressão no palato do cavalo;
  • Barbela – Ergue a cabeça do cavalo na hora de freá-lo;
  • Freio

Acessórios para apartação:

  • Bridão;
  • Barbela;
  • Freio;
  • Cabeçada americana – Uma união para os demais acessórios.

Acessórios para vaquejada:

  • Caneleira: Evita lesões nos tendões;
  • Capacete: Protege o vaqueiro e o esteireiro nas quedas bruscas;
  • Protetor de cauda: Evita a lesão e a mutilação do rabo do boi;
  • Luva de proteção:  Evita a lesão do punho do vaqueiro e ajuda a cola do gado a não escapar do puxador.

Acessórios  para pega de boi:

  • Perneira
  • Luva
  • Chapéu de couro
  • Sandálias de couro
  • Guarda peito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *